AGENDE SUA CONSULTA
11 3266-2418
11 3266-2112
Whatsapp11 98752-2272
Assista a entrevista com Dr Fabrício no Jornal da Record !
Avaliação Online Transplante FUE
FALE COM O DR. FABRÍCIO

Blog Transplante Capilar Dr. Fabricio Ribeiro

Calvície

Quando o assunto é a aparência, não existe quem discorde de que os cabelos – ou mesmo a falta deles – podem influenciar na autoestima, visto que os fios emolduram o rosto e trazem confiança mesmo aos pouco vaidosos. Por isso, a calvície é, entre as causas de queda capilar, a que mais afeta as pessoas: por ser uma disfunção genética, muitas vezes só pode ser corrigida com procedimentos cirúrgicos, o que dificulta bastante a recuperação da autoconfiança.

A calvície, também conhecida por alopecia androgenética, dá os primeiros sinais a partir dos 20 anos de idade, mas pode ocorrer também após os 45 e é resultado de uma alteração hormonal no ciclo de vida de cada fio de cabelo dentro dos folículos capilares. Para entender melhor como funciona o implante de cabelo e outros tratamentos para calvície, é preciso compreender primeiro como é esse ciclo e como o organismo trabalha.

O que é calvície?

Associada a uma herança de genes vindos tanto do pai quanto da mãe, a calvície genética é causada pelo estímulo da testosterona nos folículos no ciclo de vida do cabelo. Nele, temos três diferentes fases: a primeira, conhecida como anágena, em que os fios crescem; a etapa transitória, chamada catágena, em que o fio para de crescer ou “morre”; e o último estágio, telógeno, em que o fio é substituído por um novo.

O papel da testosterona, nesses casos, é variado, pois cada folículo capilar (cavidade em forma de bolsa em que nascem os fios) possui uma carga genética distinta, isto é, existem áreas onde o hormônio colabora com o nascimento e crescimento saudável dos cabelos – como nas laterais da cabeça – e áreas em que ele altera as fases do ciclo ao reagir com uma enzima, a 5-alfa-redutase, e criar o hormônio DHT (di-hidrotestosterona).

Como resultado, à medida que a fase anágena torna-se mais curta, a telógena aumenta progressivamente e, por essa razão, os novos fios enfraquecem a ponto de não conseguirem alcançar a superfície do couro cabeludo. Em casos mais acentuados, o DHT pode inclusive suscitar a morte das células que produzem as unidades foliculares. Em relação à aparência, vemos de pequenas entradas a partir da testa até falhas de diferentes extensões no topo da cabeça e perda total dos fios.

Calvície cicatricial

Existe um tipo menos comum de calvície que não é genética, mas, infelizmente, ocasiona a morte celular dentro dos folículos capilares. A chama calvície cicatricial ocorre devido a queimaduras, cirurgias, radioterapia e até doenças autoimunes graves; nesse caso, não tem uma faixa etária definida e não pode ser tratada clinicamente, isto é, faz-se necessário um procedimento cirúrgico para reparar as áreas afetadas.

Calvície masculina e feminina: saiba as diferenças

Como dito anteriormente, as causas da calvície são observadas através da ação da testosterona. Por tal motivo, é uma disfunção que acomete mais homens do que mulheres por este ser o hormônio sexual masculino. Além disso, a calvície feminina também é mais discreta.

Embora ambos tenham a mesma causa e até tratamentos iguais, existem certas particularidades na manifestação da calvície em homens e mulheres. Enquanto elas apresentam a miniaturização dos fios – ou seja, ficam cada vez mais finos – e podem observar algumas falhas (em casos mais intensos) na parte superior da cabeça, a calvície masculina é mais rápida e acentuada, podendo ocorrer perda total dos fios, tanto na cabeça como em outras regiões, como barba.

Queda de cabelo é sempre sinal de calvície?

Os primeiros sinais de calvície podem ser vistos quando a espessura dos fios muda ou ao observar um aumento na queda de cabelo. Entretanto, é imprescindível o acompanhamento de um profissional especializado que vai orientá-lo melhor e, assim, oferecer um diagnóstico preciso a respeito disso, visto que nem sempre esses sintomas indicam calvície. São muitos os mitos que circundam essa disfunção, portanto, não se pode precipitar nem adquirir medicamentos sem prescrição médica.

Além da calvície, esses sintomas podem indicar outras condições, deficiências e até doenças não detectadas anteriormente. Isso porque o organismo, quando sofre um desgaste grande, preocupa-se com outras funções mais importantes e, como resultado, unhas e unidades capilares param de crescer ou caem até que o corpo se recupere novamente. Para a queda dos cabelos nesse período, utilizamos o termo eflúvio telogênico.

Estresse

Também conhecida por alopecia traumática, a calvície é causada por estresse, fatores emocionais ou quaisquer outras alterações psicológicas repentinas, como depressão profunda. Nesses casos, é recomendável o tratamento da causa com psicólogos ou psiquiatras e a utilização de medicamentos específicos, caso ocorra caspa ou seborreia, bastante comuns em homens.

Sistema imunológico

Devido a um distúrbio imunológico, o próprio organismo prejudica os folículos capilares na produção de novos fios. A chamada alopecia areata é incomum entre homens e mulheres, mas pode ser bastante severa a ponto de, no caso da alopecia areata totalis, causar perda de todos os cabelos e, na alopecia areata universalis, provocar queda de sobrancelhas, cílios e todos os pelos do corpo. Apesar de haver melhora de muitos casos, pode reincidir facilmente (por isso, não é indicado o implante de cabelo).

Alimentação

Mudanças drásticas na alimentação podem ocasionar calvície leve e moderada. Nutrientes como ferro e vitaminas do complexo B, por exemplo, são essenciais para atender às necessidades do organismo e evitar a queda de cabelo. No entanto, é fundamental que se procure orientação médica, pois a não absorção dessas substâncias pode indicar outras disfunções, como anemia.

Hormônios

Alterações hormonais facilmente acarretam na calvície, e apenas um endocrinologista pode diagnosticar da melhor forma quais são os tratamentos corretos. Diversas são as causas – gravidez, menopausa, hipotireoidismo, resistência à insulina etc –, mas é sabido que, uma vez tratadas, os cabelos poderão voltar a crescer normalmente.

Calvície tem cura? Conheça o tratamento capilar

Para casos mais amenos, a calvície tem cura e é feita através de medicamentos que controlam a ação da enzima 5-alfa-redutase e, por consequência, evitam a produção do DHT – é o caso da finasterida – ou de tônicos que agem no couro cabeludo para estimular o crescimento, como o minoxidil. Já para os quadros mais acentuados, é indicado o tratamento clínico com, no mínimo, três meses de duração para observar os efeitos. Caso haja melhora, o médico permanece com esse tratamento por mais tempo, mas se não houver resultado, parte-se para o procedimento cirúrgico.

Existem, a partir de então, dois métodos distintos para reparar as áreas afetadas: o implante capilar, em que são inseridos fios artificiais na região (que traz risco de rejeição do organismo ao material, além de ocasionar um pós-cirúrgico delicado e cicatrização mais demorada), e o transplante capilar, em que são retirados fios do próprio paciente para extrair unidades foliculares saudáveis.

 

 

Ficou com dúvidas sobre Calvície? Confira os posts abaixo no Blog do Dr. Fabrício Ribeiro: